Skip to main content

Esta versão do GitHub Enterprise Server será descontinuada em 2024-06-29. Nenhum lançamento de patch será feito, mesmo para questões críticas de segurança. Para obter melhor desempenho, segurança aprimorada e novos recursos, atualize para a última versão do GitHub Enterprise Server. Para obter ajuda com a atualização, entre em contato com o suporte do GitHub Enterprise.

Criar e testar o Ruby

É possível criar um fluxo de trabalho de integração contínua (CI) para criar e testar o seu projeto do Ruby.

Observação: no momento, não há suporte para os executores hospedados no GitHub no GitHub Enterprise Server. Você pode ver mais informações sobre o suporte futuro planejado no GitHub public roadmap.

Introdução

Este guia mostra como criar um fluxo de trabalho de integração contínua (CI) que compila e testa um aplicativo do Rubi. Se o seu teste do CI passar, você deverá implantar seu código ou publicar um gem.

Pré-requisitos

Recomendamos que você tenha um entendimento básico do Ruby, YAML, das opções de configuração do fluxo de trabalho e de como criar um arquivo do fluxo de trabalho. Para obter mais informações, consulte:

Usando um fluxo de trabalho inicial em Ruby

Para experimentar uma introdução rápida, adicione um fluxo de trabalho inicial ao diretório .github/workflows do repositório.

O GitHub fornece um fluxo de trabalho inicial para Ruby que deve funcionar para a maioria dos projetos Ruby. As seções subsequentes deste guia fornecem exemplos de como você pode personalizar esse fluxo de trabalho inicial.

  1. No sua instância do GitHub Enterprise Server, navegue até a página principal do repositório.

  2. No nome do repositório, clique em Ações.

    Captura de tela das guias do repositório "github/docs". A guia "Ações" está realçada com um contorno laranja.

  3. Se você já tiver um fluxo de trabalho no repositório, clique em Novo fluxo de trabalho.

  4. A página "Escolher um fluxo de trabalho" mostra uma seleção de fluxos de trabalho iniciais recomendados. Pesquise por "ruby".

  5. Filtre a seleção de fluxos de trabalho clicando em Integração contínua.

  6. No fluxo de trabalho "Ruby", clique em Configurar.

    Se não encontrar o fluxo de trabalho inicial "Ruby", copie o seguinte código de fluxo de trabalho para um novo arquivo chamado ruby.yml no diretório .github/workflows do seu repositório.

    YAML
    name: Ruby
    
    on:
      push:
        branches: [ "main" ]
      pull_request:
        branches: [ "main" ]
    
    permissions:
      contents: read
    
    jobs:
      test:
        runs-on: ubuntu-latest
        strategy:
          matrix:
            ruby-version: ['2.6', '2.7', '3.0']
    
        steps:
        - uses: actions/checkout@v4
        - name: Set up Ruby
        # To automatically get bug fixes and new Ruby versions for ruby/setup-ruby,
        # change this to (see https://github.com/ruby/setup-ruby#versioning):
        # uses: ruby/setup-ruby@v1
          uses: ruby/setup-ruby@55283cc23133118229fd3f97f9336ee23a179fcf # v1.146.0
          with:
            ruby-version: ${{ matrix.ruby-version }}
            bundler-cache: true # runs 'bundle install' and caches installed gems automatically
        - name: Run tests
          run: bundle exec rake
    
  7. Edite o fluxo de trabalho conforme necessário. Por exemplo, altere as versões do Ruby que você deseja usar.

    Observações:

    • Esse fluxo de trabalho inicial usa ações que não são certificadas pelo GitHub. Elas são fornecidas por terceiros e regidas por termos de serviço, política de privacidade e documentação de suporte separados.
    • Caso use ações de terceiros, você deverá usar uma versão especificada por um SHA de commit. Se a ação for revisada e você quiser usar a versão mais recente, será necessário atualizar o SHA. Você pode especificar uma versão fazendo referência a uma tag ou branch, mas a ação pode ser alterada sem aviso. Para obter mais informações, confira "Fortalecimento de segurança para o GitHub Actions".
  8. Clique em Confirmar alterações.

Especificar a versão do Ruby

A maneira mais fácil de especificar uma versão do Ruby é usando a ação ruby/setup-ruby fornecida pela organização Ruby no GitHub. A ação adiciona qualquer versão do Ruby compatível a PATH em cada trabalho executado em um fluxo de trabalho. Para obter mais informações e as versões disponíveis do Ruby, confira ruby/setup-ruby.

O uso da ação ruby/setup-ruby do Ruby é a maneira recomendada de usar o Ruby com o GitHub Actions porque garante um comportamento consistente entre diferentes executores e versões do Ruby.

A ação setup-ruby usa uma versão do Ruby como entrada e configura essa versão no executor.

steps:
- uses: actions/checkout@v4
- uses: ruby/setup-ruby@ec02537da5712d66d4d50a0f33b7eb52773b5ed1
  with:
    ruby-version: '3.1' # Not needed with a .ruby-version file
- run: bundle install
- run: bundle exec rake

Como alternativa, você poderá fazer check-in de um arquivo .ruby-version na raiz do repositório, e setup-ruby usará a versão definida nesse arquivo.

Testar com versões múltiplas do Ruby

Você pode adicionar uma estratégia matriz para executar seu fluxo de trabalho com mais de uma versão do Ruby. Por exemplo, você pode testar seu código com as últimas versões de patch das versões 3.1, 3.0 e 2.7.

strategy:
  matrix:
    ruby-version: ['3.1', '3.0', '2.7']

Cada versão do Ruby especificada na matriz ruby-version cria um trabalho que executa as mesmas etapas. O contexto ${{ matrix.ruby-version }} é usado para acessar a versão do trabalho atual. Para saber mais sobre estratégias e contextos de matriz, confira "Sintaxe de fluxo de trabalho para o GitHub Actions" e "Contextos".

O fluxo de trabalho totalmente atualizado com uma estratégia de matriz pode parecer com isto:

# Esse fluxo de trabalho usa ações que não são certificadas pelo GitHub.
# São fornecidas por terceiros e regidas por
# termos de serviço, política de privacidade e suporte separados
# online.

# O GitHub recomenda fixar ações em um SHA de commit.
# Para obter uma versão mais recente, você precisará atualizar o SHA.
# Você também pode fazer referência a uma marca ou branch, mas a ação pode ser alterada sem aviso.

name: Ruby CI

on:
  push:
    branches: [ main ]
  pull_request:
    branches: [ main ]

jobs:
  test:

    runs-on: ubuntu-latest

    strategy:
      matrix:
        ruby-version: ['3.1', '3.0', '2.7']

    steps:
      - uses: actions/checkout@v4
      - name: Set up Ruby ${{ matrix.ruby-version }}
        uses: ruby/setup-ruby@ec02537da5712d66d4d50a0f33b7eb52773b5ed1
        with:
          ruby-version: ${{ matrix.ruby-version }}
      - name: Install dependencies
        run: bundle install
      - name: Run tests
        run: bundle exec rake

Instalar dependências com o Bundler

A ação setup-ruby instalará automaticamente o empacotador para você. A versão é determinada pelo arquivo gemfile.lock. Se nenhuma versão estiver presente no seu arquivo de bloqueio, será instalada a última versão compatível.

steps:
- uses: actions/checkout@v4
- uses: ruby/setup-ruby@ec02537da5712d66d4d50a0f33b7eb52773b5ed1
  with:
    ruby-version: '3.1'
- run: bundle install

Memorizar dependências

As ações setup-ruby fornecem um método para lidar automaticamente com o cache dos seus gems entre as execuções.

Para habilitar o cache, defina o seguinte.

steps:
- uses: ruby/setup-ruby@ec02537da5712d66d4d50a0f33b7eb52773b5ed1
  with:
    bundler-cache: true

Isso vai configurar o empacotador para instalar os gems em vendor/cache. Para cada execução bem sucedida do seu fluxo de trabalho, esta pasta será armazenada em cache pelo GitHub Actions e baixada novamente nas execuções de fluxo de trabalho subsequentes. São usados um hash do seu gemfile.lock e versão do Ruby como a chave de cache. Se você instalar qualquer novo gem, ou mudar uma versão, o cache será invalidado e o bundler fará uma nova instalação.

Como fazer o armazenamento em cache sem o setup-ruby

Para maior controle sobre o cache, você pode usar a ação actions/cache diretamente. Para obter mais informações, confira "Memorizar dependências para acelerar os fluxos de trabalho".

steps:
- uses: actions/cache@v3
  with:
    path: vendor/bundle
    key: ${{ runner.os }}-gems-${{ hashFiles('**/Gemfile.lock') }}
    restore-keys: |
      ${{ runner.os }}-gems-
- name: Bundle install
  run: |
    bundle config path vendor/bundle
    bundle install --jobs 4 --retry 3

Se você estiver usando uma compilação de matriz, você vai querer incluir as variáveis da matriz na sua chave de cache. Por exemplo, se você tiver uma estratégia de matriz para diferentes versões do Ruby (matrix.ruby-version) e diferentes sistemas operacionais (matrix.os), as etapas de fluxo de trabalho poderão ter esta aparência:

steps:
- uses: actions/cache@v3
  with:
    path: vendor/bundle
    key: bundle-use-ruby-${{ matrix.os }}-${{ matrix.ruby-version }}-${{ hashFiles('**/Gemfile.lock') }}
    restore-keys: |
      bundle-use-ruby-${{ matrix.os }}-${{ matrix.ruby-version }}-
- name: Bundle install
  run: |
    bundle config path vendor/bundle
    bundle install --jobs 4 --retry 3

Matriz que testa o seu código

O exemplo a seguir da matriz testa todas as versões estáveis e versões principais de MRI, JRuby e TruffleRuby no Ubuntu e no macOS.

# Esse fluxo de trabalho usa ações que não são certificadas pelo GitHub.
# São fornecidas por terceiros e regidas por
# termos de serviço, política de privacidade e suporte separados
# online.

# O GitHub recomenda fixar ações em um SHA de commit.
# Para obter uma versão mais recente, você precisará atualizar o SHA.
# Você também pode fazer referência a uma marca ou branch, mas a ação pode ser alterada sem aviso.

name: Matrix Testing

on:
  push:
    branches: [ main ]
  pull_request:
    branches: [ main ]

jobs:
  test:
    runs-on: ${{ matrix.os }}-latest
    strategy:
      fail-fast: false
      matrix:
        os: [ubuntu, macos]
        ruby: [2.5, 2.6, 2.7, head, debug, jruby, jruby-head, truffleruby, truffleruby-head]
    continue-on-error: ${{ endsWith(matrix.ruby, 'head') || matrix.ruby == 'debug' }}
    steps:
      - uses: actions/checkout@v4
      - uses: ruby/setup-ruby@ec02537da5712d66d4d50a0f33b7eb52773b5ed1
        with:
          ruby-version: ${{ matrix.ruby }}
      - run: bundle install
      - run: bundle exec rake

Fazer linting do seu código

O exemplo a seguir instala o rubocop e o usa para fazer lint de todos os arquivos. Para obter mais informações, confira RuboCop. Você pode configurar o RuboCop para decidir as regras de lint específicas que serão usadas.

# Esse fluxo de trabalho usa ações que não são certificadas pelo GitHub.
# São fornecidas por terceiros e regidas por
# termos de serviço, política de privacidade e suporte separados
# online.

# O GitHub recomenda fixar ações em um SHA de commit.
# Para obter uma versão mais recente, você precisará atualizar o SHA.
# Você também pode fazer referência a uma marca ou branch, mas a ação pode ser alterada sem aviso.

name: Linting

on: [push]

jobs:
  test:
    runs-on: ubuntu-latest
    steps:
      - uses: actions/checkout@v4
      - uses: ruby/setup-ruby@ec02537da5712d66d4d50a0f33b7eb52773b5ed1
        with:
          ruby-version: '2.6'
      - run: bundle install
      - name: Rubocop
        run: rubocop -f github

Especificar -f github significa que a saída do RuboCop estará no formato de anotação do GitHub. Quaisquer erros de linting serão mostrados embutidos na guia Arquivos alterados da pull request que os apresenta.

Publicar gems

Você pode configurar o seu fluxo de trabalho para publicar o seu pacote do Ruby em qualquer pacote de registro que você desejar quando os seus testes de CI passarem.

Você pode armazenar qualquer token de acesso ou credenciais necessárias para publicar seu pacote usando segredos do repositório. O exemplo a seguir cria e publica um pacote em GitHub Package Registry e em RubyGems.

# Esse fluxo de trabalho usa ações que não são certificadas pelo GitHub.
# São fornecidas por terceiros e regidas por
# termos de serviço, política de privacidade e suporte separados
# online.

# O GitHub recomenda fixar ações em um SHA de commit.
# Para obter uma versão mais recente, você precisará atualizar o SHA.
# Você também pode fazer referência a uma marca ou branch, mas a ação pode ser alterada sem aviso.

name: Ruby Gem

on:
  # Manually publish
  workflow_dispatch:
  # Alternatively, publish whenever changes are merged to the `main` branch.
  push:
    branches: [ main ]
  pull_request:
    branches: [ main ]

jobs:
  build:
    name: Build + Publish
    runs-on: ubuntu-latest
    permissions:
      packages: write
      contents: read

    steps:
      - uses: actions/checkout@v4
      - name: Set up Ruby 2.6
        uses: ruby/setup-ruby@ec02537da5712d66d4d50a0f33b7eb52773b5ed1
        with:
          ruby-version: '2.6'
      - run: bundle install

      - name: Publish to GPR
        run: |
          mkdir -p $HOME/.gem
          touch $HOME/.gem/credentials
          chmod 0600 $HOME/.gem/credentials
          printf -- "---\n:github: ${GEM_HOST_API_KEY}\n" > $HOME/.gem/credentials
          gem build *.gemspec
          gem push --KEY github --host https://rubygems.pkg.github.com/${OWNER} *.gem
        env:
          GEM_HOST_API_KEY: "Bearer ${{secrets.GITHUB_TOKEN}}"
          OWNER: ${{ github.repository_owner }}

      - name: Publish to RubyGems
        run: |
          mkdir -p $HOME/.gem
          touch $HOME/.gem/credentials
          chmod 0600 $HOME/.gem/credentials
          printf -- "---\n:rubygems_api_key: ${GEM_HOST_API_KEY}\n" > $HOME/.gem/credentials
          gem build *.gemspec
          gem push *.gem
        env:
          GEM_HOST_API_KEY: "${{secrets.RUBYGEMS_AUTH_TOKEN}}"