Skip to main content

Esta versão do GitHub Enterprise Server será descontinuada em 2024-08-29. Nenhum lançamento de patch será feito, mesmo para questões críticas de segurança. Para obter melhor desempenho, segurança aprimorada e novos recursos, atualize para a última versão do GitHub Enterprise Server. Para obter ajuda com a atualização, entre em contato com o suporte do GitHub Enterprise.

Como executar scripts antes ou depois de um trabalho

Os scripts podem ser executado automaticamente em um executor autohospedado, diretamente antes ou depois de um trabalho.

Sobre os scripts pré e pós-trabalho

Você pode executar scripts automaticamente em um executor auto-hospedado, antes da execução de um trabalho ou após a conclusão da execução dele. Use esses scripts para dar suporte aos requisitos do trabalho, como a criação ou a destruição de um ambiente de executor ou a limpeza de diretórios. Use também esses scripts para acompanhar a telemetria de como os executores são usados.

Os scripts personalizados são disparados automaticamente quando uma variável de ambiente específica é definida no executor: a variável de ambiente precisa conter o caminho absoluto para o script. Para obter mais informações, confira "Como disparar os scripts" abaixo.

Há suporte para as seguintes linguagens de script:

  • Bash: usa bash e pode usar sh como alternativa. É executado com a execução de -e {pathtofile}.
  • PowerShell: usa pwsh e pode usar powershell como alternativa. É executado com a execução de -command \". '{pathtofile}'\".

Como escrever os scripts

Seus scripts personalizados podem usar os seguintes recursos:

  • Variáveis: os scripts têm acesso às variáveis padrão. O conteúdo completo do evento de webhook pode ser encontrado em GITHUB_EVENT_PATH. Para obter mais informações, confira "Variáveis".
  • Comandos de fluxo de trabalho: os scripts podem usar comandos de fluxo de trabalho. Para obter mais informações, confira "Comandos de fluxo de trabalho para o GitHub Actions". Os scripts também podem usar arquivos de ambiente. Para obter mais informações, confira Arquivos de ambiente.

Seus arquivos de script precisam usar uma extensão de arquivo para a linguagem relevante, como .sh ou .ps1, para serem executados com êxito.

Observação: evite usar os scripts para gerar informações confidenciais para o console, pois qualquer pessoa com acesso de leitura no repositório poderá ver a saída nos logs da interface do usuário.

Como tratar os códigos de saída

Para scripts de pré-trabalho, o código de saída 0 indica que o script foi concluído com sucesso e o trabalho continuará sendo executado. Se houver outro código de saída, o trabalho não será executado e será marcado como com falha. Para ver os resultados dos scripts de pré-trabalho, verifique se há entradas Set up runner nos logs. Para obter mais informações sobre como verificar os logs, confira "Usando logs de execução de fluxo de trabalho".

Não há suporte para a configuração continue-on-error para uso por esses scripts.

Como disparar os scripts

Os scripts personalizados precisam estar localizados no executor, mas não precisam ser armazenados no diretório do aplicativo actions-runner. Os scripts são executados no contexto de segurança da conta de serviço que executa o serviço de executor.

Observação: os scripts disparados são processados de maneira síncrona, ou seja, bloquearão a execução do trabalho enquanto estiverem em execução.

Os scripts são executados automaticamente quando o executor tem as seguintes variáveis de ambiente que contêm um caminho absoluto para o script:

  • ACTIONS_RUNNER_HOOK_JOB_STARTED: o script definido nessa variável de ambiente é disparado quando um trabalho é atribuído a um executor, mas antes do trabalho começar a ser executado.
  • ACTIONS_RUNNER_HOOK_JOB_COMPLETED: o script definido nessa variável de ambiente é disparado no final do trabalho, após a execução de todas as etapas definidas no fluxo de trabalho.

Para definir essas variáveis de ambiente, você pode adicioná-las ao sistema operacional ou adicioná-las a um arquivo chamado .env no diretório do aplicativo do executor auto-hospedado (ou seja, o diretório no qual você baixou e descompactou o software executor). Por exemplo, a seguinte entrada .env fará com que o executor execute automaticamente um script, salvo como /opt/runner/cleanup_script.sh no computador executor, antes de cada tarefa ser executada:

ACTIONS_RUNNER_HOOK_JOB_STARTED=/opt/runner/cleanup_script.sh

Nota: o script definido em ACTIONS_RUNNER_HOOK_JOB_COMPLETED é executado no final do trabalho, antes da conclusão do trabalho. Isso o torna inadequado para casos de uso que podem interromper um executor, como excluir o computador executor como parte de uma implementação de dimensionamento automático.

Solução de problemas

Permissão negada

Se você receber um erro de "permissão negada" ao tentar executar um script, verifique se o script é executável. Por exemplo, em um terminal no Linux ou no macOS, você pode usar o seguinte comando para tornar um arquivo executável.

chmod +x PATH/TO/FILE

Para obter informações sobre como usar fluxos de trabalho para executar scripts, consulte "AUTOTITLE".

Sem configuração de tempo limite

Atualmente, não há nenhuma configuração de tempo limite disponível para os scripts executados por ACTIONS_RUNNER_HOOK_JOB_STARTED ou ACTIONS_RUNNER_HOOK_JOB_COMPLETED. Como resultado, você pode considerar a adição de tratamento do tempo limite ao script.

Como examinar o log de execução do fluxo de trabalho

Para confirmar se os scripts estão em execução, você pode revisar os logs desse trabalho. Os scripts serão listados em etapas separadas para Set up runner ou Complete runner, dependendo do variável de ambiente que dispara o script. Para obter mais informações sobre como verificar os logs, confira "Usando logs de execução de fluxo de trabalho".